Sejam bem vindo ao Blog Terapia Ocupacional de São José do Rio Preto - SP.

Pryscilla Mychelle da Silva Paula
Terapeuta Ocupacional e Terapeuta da Mão

Contato

Minha foto
São José do Rio Preto, SP, Brazil
Consultório de Terapia Ocupacional / Terapia da Mão (17) 3033-2430 / (17) 99716-8201 - Georgina Business Park - Rua Benedito Rodrigues Lisboa, n° 2675, bairro Jd Vivendas - São José do Rio Preto - SP / pryscilla@gmail.com

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Curso de órteses em São José do Rio Preto - SP

Um pouco das imagens do curso de órtese no consultório de Cirurgia da Mão em São José do Rio Preto - SP. Sula teórica e prática.
Teve até sorteio de uma ecobag confeccionada pelo meu cliente @jmaiolini.






quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Curso de órteses estáticas


Curso de Órteses para quem tem pressa em se especializar!
Entre em contato no telefone 17-3033-2430 ou email pryscilla@gmail.com



segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Hanseníase e o tratamento de terapia ocupacional





















Na reabilitação e tratamento especializado do paciente com Hanseníase com Terapeuta da Mão ou Terapeuta Ocupacional, o mesmo realiza um teste de sensibilidade com monofilamentos de Semmes Weinstein, teste de força muscular com dinamômetro e são verificadas deformidades articulares.

A avaliação de incapacidades dos membros superiores é de extrema importância para a monitoração do estado atual em que se encontram os pacientes, visando acompanhar a progressão da doença.

A Terapia Ocupacional disponibiliza de conhecimento e recursos terapêuticos que contribuem para a reintegração do paciente na sociedade e na redução das deformidades tão incapacitantes.

Os casos podem ser cirúrgicos ou não cirúrgicos.
Exemplos nas fotos acima.

Quando o paciente apresenta sequelas por não ter procurado tratamento médico e de reabilitação, as articulações ficam rígidas e as mãos não apresentam condições de realizar alguns tipos de preensões de objetos. 

O terapeuta ocupacional indica tecnologias assistivas, que são adaptações de utensílios de uso pessoal e domésticos, além de adaptações de calçados.

Aqui estão alguns exemplos




Procure um terapeuta ocupacional especializado.


domingo, 3 de fevereiro de 2019

Órteses para tratamento do dedo em martelo































Após diagnóstico de tratamento conservador da lesão de dedo em martelo, o cirurgião da mão solicita órtese confeccionada sob medida para o terapeuta da mão.

A órtese permite que a interfalangeana proximal do dedo fique livre, isto é, tenha mobilidade, e a imobilização será somente na interfalangeana distal, onde realmente ocorre a lesão. O paciente utilizará por 6 a 8 semanas para cicatrização completa.

Quando o paciente procura o médico tardiamente, o dedo poderá estar edemaciado e com a interfalangeana distal rígida, não conseguindo extensão de 10° a 15° graus na órtese. Após uma a duas semanas de uso, a órtese deverá ser ajustada para que a articulação permaneça com hiperextensão até o fim do tratamento.

O modelo que mais utilizamos é este, que permite a amplitude desejada e pode ser ajustada.

Órtese sob medida para dedo em martelo.



Existem outros modelos sob medida e pré-fabricados, encontrados em lojas ortopédicas, como você pode ver nas imagens abaixo:
 O dedo em martelo é uma deformidade que causa dor, edema, perda da funcionalidade do dedo e necessita de tratamento com profissionais especialistas.


Fale com a equipe da Cirurgia da Mão Rio Preto se quiser saber mais sobre tratamentos da lesão de dedo em martelo! 

Vocês sabe o que é dedo em martelo?






































O cisto sinovial é um aumento de volume localizado, que surge próximo a uma articulação ou a um tendão. É similar a uma bexiga repleta de líquido sinovial ( líquido produzido pelo próprio organismo para nutrir a cartilagem e facilitar a movimentação articular ). Ele pode ser duro ou de consistência gelatinosa, pode ou não ser doloroso e pode aumentar ou diminuir de volume espontaneamente.

Os gânglios ou cistos sinoviais representam 50 a 70% das massas encontradas no punho e na mão. São mais comuns em mulheres. Ocorrem em maior frequência entre a segunda e a quarta década de vida.

A etiologia e a patogênese não são claras. Muitas teorias foram citadas na tentativa de explicar o surgimento dos cistos, como a formação de hérnia sinovial ou ruptura da bainha do tendão, o neocrescimento da membrana sinovial, a modificação de tecidos, a degeneração mucóide, o fenômeno válvula de uma única via, entre outras.

A diferença entre cisto sinovial e gangliônico é baseada na presença ou ausência de revestimento sinovial, comprovada pela microscopia ( exame com microscópio realizado por médico patologista ); discussão meramente acadêmica.

A maior parte das vezes, as queixas estão relacionadas ao desconforto estético e não a dor.

O diagnóstico é clínico: massa de consistência elástica endurecida, de bordo definidos, indolor a palpação. O ultrassom é o exame para a confirmação diagnóstica. Nos casos de suspeita de cistos intraósseos, a radiografia simples, a tomografia computadorizada e a ressonância magnética podem ser solicitadas pelo médico.

Em torno de 30% dos cistos dorsais do punho têm resolução espontânea e nas crianças, e remissão é espontânea em até 79%.

As opções de tratamento são: observação, aspiração, aspiração+injeção de corticoide, ressecção cirúrgica aberta e ressecção artroscópica.

Acesse o site!

Cisto sinovial
































O cisto sinovial é um aumento de volume localizado, que surge próximo a uma articulação ou a um tendão. É similar a uma bexiga repleta de líquido sinovial ( líquido produzido pelo próprio organismo para nutrir a cartilagem e facilitar a movimentação articular ). Ele pode ser duro ou de consistência gelatinosa, pode ou não ser doloroso e pode aumentar ou diminuir de volume espontaneamente.

Os gânglios ou cistos sinoviais representam 50 a 70% das massas encontradas no punho e na mão. São mais comuns em mulheres. Ocorrem em maior frequência entre a segunda e a quarta década de vida.

A etiologia e a patogênese não são claras. Muitas teorias foram citadas na tentativa de explicar o surgimento dos cistos, como a formação de hérnia sinovial ou ruptura da bainha do tendão, o neocrescimento da membrana sinovial, a modificação de tecidos, a degeneração mucóide, o fenômeno válvula de uma única via, entre outras.

A diferença entre cisto sinovial e gangliônico é baseada na presença ou ausência de revestimento sinovial, comprovada pela microscopia ( exame com microscópio realizado por médico patologista ); discussão meramente acadêmica.

A maior parte das vezes, as queixas estão relacionadas ao desconforto estético e não a dor.

O diagnóstico é clínico: massa de consistência elástica endurecida, de bordo definidos, indolor a palpação. O ultrassom é o exame para a confirmação diagnóstica. Nos casos de suspeita de cistos intraósseos, a radiografia simples, a tomografia computadorizada e a ressonância magnética podem ser solicitadas pelo médico.

Em torno de 30% dos cistos dorsais do punho têm resolução espontânea e nas crianças, e remissão é espontânea em até 79%.

As opções de tratamento são: observação, aspiração, aspiração+injeção de corticoide, ressecção cirúrgica aberta e ressecção artroscópica.

Acesse o site e tenha mais informações!

A importância da Terapia Ocupacional após a cirurgia na Doença de Dupuytren






























A doença de Dupuytren acomete a aponeurose palmar e vários componentes da fáscia digital, causando uma deformidade em flexão dos dedos da mão.

A reabilitação com terapeuta da mão ou terapeuta ocupacional após a cirurgia é de extrema importância para restaurar a função máxima da mão, visando manter a extensão dos dedos conseguida no pós-cirúrgico.

É iniciada geralmente na primeira semana de pós-operatório, exceto nos casos de enxerto de pele, sendo realizada uma avaliação e por meio de técnicas, o tratamento compõe o uso de órtese confeccionada sob medida, cuidados com a ferida, controle do edema e cicatriz, exercícios de amplitude de movimento dos dedos ativa/passiva e fortalecimento muscular.

A órtese é essencial para manter os dedos em extensão após a cirurgia, e após a cicatrização ainda é interessante o uso noturno por alguns meses. O controle do edema é feito com massagem retrógrada (drenagem) do membro para um prognóstico satisfatório, e são utilizadas técnicas de massagem cicatricial após a retirada dos pontos para evitar aderência e fibrose, preservando o deslizamento das estruturas durante a movimentação dos dedos.

Alguns exercícios da terapia são passados para casa, que deverão ser executados de hora em hora, e por volta da 4° a 6° semana inicia-se o programa de fortalecimento.

A reabilitação precoce auxilia o paciente a obter independência nas atividades funcionais e para retorno ao trabalho.


Doença de Dupuytren



























A doença de Dupuytren ou síndrome de Dupuytren ou contratura de Dupuytren  é uma patologia benígna definida como uma doença fibro-proliferativa que acomete a fáscia palmar e digital, caracterizando-se pela degeneração, espessamento e hialinização do feixe de fibras de colágeno dessas regiões, com formação de nódulos e contração.

Trata-se de uma doença com transmissão hereditária autossômica dominante, que afeta mais o sexo masculino que o sexo feminino, a raça caucasiana e entre a 5ª e a 7ª década de vida. Pode estar associada às patologias como Diabetes e SIDA, ao  alcoolismo,  tabagismo e à toma de anti-epilépticos.

Clinicamente, apresenta-se como uma massa palmar palpável (nódulo de Dupuytren) que pode progredir para uma contractura em flexão das articulações da mão e dedos devido à confluência das áreas de nodulação e fibrose. Ocorre mais frequentemente no 4º e 5º dedos.

Mais informações no site www.cirurgiadamaoriopreto.com.br


Tendinite, tenossinovite, tendinopatia, tendinose.





























A tendinite é um processo inflamatório que acomete o tendão, enquanto a tenossinovite e um processo inflamatório da membrana que recobre o tendão.

A tendinose é uma síndrome clínica caracterizada por dor crônica e espessamento do tendão.

O termo tendinopatia é uma doença do tendão, um termo mais amplo e pode ser empregado para descrever lesões do tendão, sejam elas uma tendinose, tendinite, ruptura.

As causas das tendinopatias, tendinites, tenossinovites, tendinoses variam de causas mecânicas, esportivas e traumáticas até patologias clinicas como doenças reumáticas, doenças da tireóide.

Sintomas são desconforto, dores, dificuldade realizar movimentos, sensação de fraqueza e em casos agudos pode acorrer sinais inflamatórios como edema.

O diagnóstico é feito através de um exame clínico e físico associado a exame complementar: ultrassonografia ou ressonância magnética.

O tratamento dependerá do quadro clínico e pode ser conservador com  repouso das atividades manuais, órtese ou imobilizador, medicações analgésicas ou anti-inflamatórias, fisioterapia com alongamentos e fortalecimentos, osteopatia, acupuntura, kinesio Taping/bandagem.

Em casos específicos como doenças reumáticas, De Quervain ou dedo em gatilho, pode ser indicado o tratamento cirúrgico com tenólise/liberação tendínea associada ou não com sinovectomia.

Para mais informações, acesse o site.

Síndrome do túnel do carpo






























É a Síndrome Compressiva de Nervo Periférico mais comum dos membros superiores e acomete o nervo mediano na região do túnel carpal, atingindo mais as mulheres no período pós-menopausa.

Causas da síndrome do túnel do carpo variam desde causas mecânicas e posturas até patologias sistêmicas como doenças reumáticas, alterações da tireóide.

Os sintomas são formigamento ou adormecimento que acomete o dedo polegar, indicador, médio e a metade radial do dedo anelar.

No início, os sintomas são suaves, mas conforme a evolução, os sintomas vão se intensificando principalmente à noite. Muitas vezes, com o passar do tempo, o formigamento que pode estar acompanhado de dor, se torna cada vez mais intenso, a ponto de cair objetos da mão com perda de sensibilidade dos dedos afetados e, nos casos mais avançados, ocorre perda de força e inicia-se uma perda ou atrofia da musculatura da região tenar.

O diagnóstico é feito através de um exame clínico e físico associado a exame complementar: Eletroneuromiografia, que indicará se o comprometimento é leve, moderado ou grave.

O tratamento dependerá do grau de acometimento e pode ser conservador com  repouso das atividades manuais, órtese ou imobilizador de punho na posição neutra, medicações, vitaminas do complexo B, terapia da mão, fisioterapia, osteopatia.

Nos casos em que evolução não for satisfatória, pode ser indicado o tratamento cirúrgico com descompressão/liberação do nervo mediano no punho, sendo por técnica endoscópica ou via aberta, de acordo com a experiência de cada cirurgião.

Para saber mais, acesse o site.

Terapia Ocupacional no consultório de Cirurgia da Mão em São José do Rio Preto - SP.